Terça-feira, 24 de Maio de 2011

Sobre as moscas

Bom, então diz que temos aí mais um período eleitoral para o Parlamento. Mais um período de duas semanas em que os políticos (ou serão mais pulhíticos?) irão percorrer o país de Norte a Sul, inundando o país de panfletos e cartazes defendendo os seus ideais (ou a falta deles), fingindo ouvir as pessoas, condoendo-se com as suas dores, expelindo grossas lágrimas de crocodilo ao ouvirem as súplicas e os queixumes aflitivos dum povo cansado de sentir o cinto apertado há anos. Mais um período em que os nossos impostos vão ser utilizados para nos darem música durante estes quinze dias, para as cassetes da propaganda serem rodadas ao longo das estradas, feiras, festas, romarias, e espaços do género, onde se distribuem porta-chaves, fitas, canetas e todo o material inútil que é utilizado nestas acções. Multiplicam-se os almoços e jantares-comício, onde cada um procura ter o máximo de pessoas possível, mesmo com "ajuda" de pessoas que nem sequer podem votar. Os noticiários passam a ser dominados pelas notícias da campanha, pelas picardias entre os candidatos a Primeiro-Ministro, pelos comentários dos lambe-botas partidários (sempre em busca dum lugarzinho onde possam continuar a ser yes-men em troca duns trocados).

 

E para quê?

 

Simples. Para continuar tudo na mesma. Depois de 5 de Junho, as coisas vão permanecer iguais. Seja lá quem for que ganhe o direito de constituir governo, o calcanhar vai continuar bem cravado na cada de todos nós. E isto aplica-se quer seja comunista, bloquista, socialista, social-democrata ou dos outros. Dos dois primeiros, de facto, já não há nada a esperar. Depois de trinta e tal anos a ouvir as ideias da esquerda - ou melhor dito, a cassete da esquerda - seria expectável que os portugueses já tivessem aberto os olhos e dado um definitivo pontapé nesse resquício caduco do século XX1 que ainda mina a sociedade portuguesa. Porém, constata-se que, ao invés, ainda existe uma parte significativa do eleitorado que ainda se refugia por detrás da bandeira carmesim da comuna estalinista, trotskista e mais uns quantos istas, achando que, de verdade, esses são os que se interessam pelo trabalhador comum, eternamente espezinhado pelo satânico capitalista, pela população desempregada cujo número não pára de aumentar. A verdade é que eu mais depressa me atiraria para uma piscina infestada de piranhas ostentando um par de calções feitos de carne do que colocaria a minha cruz no quadradinho dos comunistas. Gentinha mais retrógrada ainda não conheci. Se Charles Darwin tivesse nascido Karl Darwinov, cem anos mais tarde, e se tivesse lançado o seu livro, teria apodrecido num gulage ainda acreditaríamos que éramos filhos de Adão e Eva. Só se ouve falar dos protestos da esquerda aos projectos que ainda se vão adjudicando, ao passo que as suas ideias não passam de meras utopias e delírios de gente sem qualquer contacto com a realidade.

 

E, com esses dois já riscados do mapa, restam os três partidos de direita. Também não me seduzem. Também não me parecem coerentes, nem sequer me parecem o que Portugal necessita, de momento. Se a obra de Sócrates (e, principalmente, o seu nepotismo) está à vista de todos, também é verdade que PPC já deu demasiados tidos nos pés durante a pré-campanha - e Portas, claro está, faz lembrar aqueles cãezinhos minúsculos com mau feitio: tentam encarrapitar-se e morder nos cães grandes, ladrando incessantemente.

 

E, portanto, são estes cinco desastres que temos à escolha para os próximos quatro anos2. Entre Sócrates, PPC, Portas, Jerónimo ou Louçã, argh... preferia era poder mandar vir uns governantes do estrangeiro, a ver se tinham mão nesta canalha que cá anda. Mas aí, bom... talvez o povo se queixasse do apertar ainda mais bárbaro do cinto. Será que pensávamos mesmo que nos iríamos escapar às consequências de gastarmos à tripa-forra? Pois é...

 

 

 

 


1- sendo muuuuuito optimista.

2- não é exequível, sequer, pensar que alguma das outras facções políticas poderá aspirar ao que quer que seja - a não ser disputarem o seu próprio campeonato interno.


Engendrado por Nettwerk van Helsing às 11:17
Ligações a esta porcaria | Atirar pedrada | Emoldurar disfunção
|

Descrição do paciente

Procurar disfunção

 

Julho 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
13
15

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Loucuras recentes

Sobre a mudança

Sobre as pedaladas

Sobre os novos acessos

Sobre o alcatrão portajad...

Sobre os carris

Sobre o Verão

Sobre a passagem do tempo

Sobre a viragem

Sobre a paixão

Sobre as moscas

Sobre as laranjas maduras

Sobre o The Wall

Sobre os entusiastas

Sobre o material circulan...

Teste

Sobre as novas pragas da ...

Fifada do dia (XXII)

Sobre a esperança

Sobre a excomungação de v...

Sobre a crise

Loucuras antigas

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Outubro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Ligações ao mundo exterior

subscrever feeds