Quinta-feira, 31 de Março de 2011

Sobre as laranjas maduras

Bom, vou passar a ser um gajo da moda. Tendo em conta que, agora, o que está a dar é falar de política, deixa-me cá saltar para esse bandwagon.

 

José Sócrates finalmente caiu, depois dum longo e angustiante reinado de seis anos. Há quem diga "finalmente", alguns dirão "infelizmente". Eu encontro-me perto dos primeiros, mas não lá. Não vou discutir sobre a valia (ou falta dela) de Sócrates como PM, pois não é isso que prevejo fazer neste texto. Não vou apontar as mentiras que empurrou ao longo destes seis anos, e não vou avaliar sobre se foi um mau Primeiro, ou um péssimo, ou ainda catastrófico. Porém, verdade seja dita, não fiz nenhuma festa quando o PM apresentou a demissão. Não atirei figuetes, nem nada. Porque a questão que se coloca é o "e agora?". Quem é que vai suceder ao dito "Pinócrates"?

 

Provavelmente o problema até será meu. Afinal de contas, gostaria que surgisse desde já uma candidatura de alguém que fosse capaz de levar esta frederica a bom porto. Se calhar, estou assolado dos vícios dos portugueses, que querem que tudo seja feito rapidamente e sem olhar a quem - e feito por "eles". Gostava que aparecesse por aí um Messias que, desprovido de ligações políticas (epah, gostava disso, pronto! Deixem-me ser utópico à vontade) mas munido duma equipa decente, com homens de valia nos principais pontos-chave, que cortassem onde tivessem de cortar, que apertassem onde tivessem de apertar, mas que levassem a carta a garcia. Só que lá está... sem uma máquina política por detrás, nunca tal projecto teria pernas para andar, pois em Portugal vota-se mais nos partidos do que nas pessoas. E assim, cá estamos nós na realidade actual, com todos os partidos a atirarem as culpas uns para os outros - com o beneplácito do tísico de Boliqueime, entretido a roer no seu bolo-rei e a apreciar a reforma no Palácio de Belém.

 

Aí está outra questão que também me faz alguma comichão, parecendo que não (tanta rima enfiada, cristo!). Afinal de contas, quem é que é o culpado de tudo isto? Já sei que muitos irão dizer que a culpa é "deles", ou dos "gordos", dos "capitalistas", dos "patrões". E, a meu ver, estaríeis completamente errados. Retirando uma frase dum dos meus filmes favoritos, "if you're looking for the guilty, you need only look into a mirror". Honestamente, sinceramente, é perfeitamente inútil e patético escudarmo-nos detrás do sempre generalista "eles" e desviarmos as nossas culpas de toda esta crise. São "eles" que governam? Pois são. Mas quem é que os mete lá? Quem é que bebe as palavrinhas que eles dizem, quem é que acha que o que eles dizem é verdade, quem é que acredita na ladaínha de vendedor de banha da cobra? Somos nós. E, como já referi, quem é que vota em candidato 'a', 'b' ou 'c' apenas e só por causa da cor política, sem sequer ter em consideração a valia da pessoa, o currículo, a sua carreira? Eu me confesso: eu não sou. Alguns também não o farão. Mas muitos fazem-no sem hesitar. E, se dúvidas houverem, é só olhar-se os resultados das eleições dos últimos anos.

 

Não vejo solução para esta crise. Isto porque os portugueses não se sabem governar a eles mesmos. Sabem-se governar, apenas e só. E, enquanto os dinossauros políticos continuarem a enxamear a vida governativa portuguesa (ávidos defensores da prática de se governarem), a meu ver, o caso vai estar mal-parado. Para todos nós.


Engendrado por Nettwerk van Helsing às 22:04
Ligações a esta porcaria | Atirar pedrada | Emoldurar disfunção
|

Descrição do paciente

Procurar disfunção

 

Julho 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
13
15

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Loucuras recentes

Sobre a mudança

Sobre as pedaladas

Sobre os novos acessos

Sobre o alcatrão portajad...

Sobre os carris

Sobre o Verão

Sobre a passagem do tempo

Sobre a viragem

Sobre a paixão

Sobre as moscas

Sobre as laranjas maduras

Sobre o The Wall

Sobre os entusiastas

Sobre o material circulan...

Teste

Sobre as novas pragas da ...

Fifada do dia (XXII)

Sobre a esperança

Sobre a excomungação de v...

Sobre a crise

Loucuras antigas

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Outubro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Ligações ao mundo exterior

subscrever feeds