Segunda-feira, 30 de Junho de 2008

"Vou p'rà night, vou p'rà night, curtir... queres curtir comigo? Oh-oh-oh-oh!"

Bom, depois dum final de semana que me fez andar dum lado para o outro, quer com o meu grupo de rapazes cantadores, quer com a malta da fotografia, está na altura de fazer o rescaldo de algo que se passou pelo meio de todos esses eventos: perdi a cabeça, esqueci-me de todas as vezes anteriores, e fui sair à noite.
Atenção: não é sair à noite como o costume - ir ao café, estar lá um bocado na palheta e depois vir-me embora -; é sair à noite... e só retornar às tantas da madrugada, fedendo a fumo de tabaco, com os ouvidos tapados de cera e com uma dor estupidamente dolorosa. Pois é... é ir p'rà night. Vulgo, discoteca. OK, não foi bem uma discoteca, mas para todos os efeitos é o mesmo.
(Antes de mais nada, também tenho de fazer um mea culpa: fui-me meter nessa alhada depois de ter passado uma tarde ao sol, de máquina fotográfica em punho. Resultado? Pescoço e braços queimados... e uma bela marca branca onde eu, estupidamente, deixei ficar o relógio. Mas penso que não seria de esperar outra coisa de mim, não é?)
Não me vou alargar a respeito de como a coisa correu, porque não é o busílis da questão (se bem que estar uma hora - ou mais - para pagar, é dose... não sei se me apanham lá mais alguma vez); em vez disso, vou ter de alardear argumentos que, a mim, se me afiguram como negativos neste tipo de coisas:

  1. Porteiros: grandes macacos que vestem sempre de negro, tem uma voz grave e, salvo excepções, pouco amistosa, e ar abrutalhado. Estão indigitados pelos gerentes para fazerem valer critérios de selecção algo dúbios a respeito de quem passa os portões da entrada. Fora do seu local de trabalho, passam a vida no ginásio, onde muita gente se torna conhecida deles, por modo a conseguir uma entradazita à borla no mesmo estabelecimento, ou então um cartãozito de consumo mais barato - ver ponto 2. Normalmente, a chegada dos ditos "amigos" é a única vez em que a sua voz é mais amistosa. Fora do ginásio e do local de trabalho, pouco tempo sobra para dormir - é uma perda de tempo, se formos a ver - e daí vem a pouca inteligência que possuem.
  2. Consumos: é líquido: quem é pobre não pode ir p'rà naite. E, especialmente, se tiver nascido com uma torneirinha no meio das pernas. Agora, que me desculpem, mas eu tenho de me armar em gaja: eu exijo a igualdade de direitos1! Eu exijo cartões de consumo ao mesmo preço dos das "shoras donas"! É que a mim dói-me ter de largar sempre mais de 10€ para estar a córtir um bocado, enquanto devem-se contar pelos dedos de uma mão as que uma senhora teve de pagar essa maquia para o mesmo... Que seja um incentivo para que elas apareçam, com decotes até ao umbigo e saias pela cintura, a mostrarem pernas de dois metros e a roçarem-se todas umas nas outras... só que, com umas tabelas bem inflaccionadas para a malta que mija urina2 em pé, esse espectáculo é apenas para inglesa ver, que esta malta começa a pensar duas vezes antes de ir a tais sítios...
  3. O córtir propriamente dito: confesso que já não sei como me comportar no meio duma pista de dança. Mas nunca percebi porque raio se levanta, constantemente, o braço direito, e se abana a mão repetidamente, em movimentos de trás para a frente com ela erguida no ar. O que quer isso dizer? Que o som que está a dar é "fixe"? Que o DJ "lhe está a dar bué"? A sério, quem souber, que me explique, que eu gostava de perceber... Ainda, a respeito do mesmo: será que, para córtir, é preciso a malta abanar-se toda? Andar com os cotovelos dum lado para o outro, a cravar com os ditos nas costas dos outros, ou a levar com saltos em cima dos meus pobres dedos dos pés? É que, parecendo que não, isso aleija um bocadinho, e eu ainda gostao de chegar a casa mais ou menos no mesmo estado em que saí de lá.
  4. Oldies revisitados: não percebo porque se há-de passar a vida a assassinar autênticamente clássicos dos anos 80 e 90. Para quem (como eu) gosta dos ditos, ouvir, vá, como exemplo, uma versão altamente adulterada do "Message in a Bottle" dos Police, é o equivalente a ouvir-se cinco ou seis minutos de alguém a arranhar num quadro com unhas extremamente compridas. É agonizante. É tortura que devia de ter sido proibida pela Convenção de Genebra. E, ao passo que, noutras discotecas de mais nomeada e maiores, sempre se pode ir para outra pista de dança e esperar que o som, lá, seja melhor, noutros, em que só há uma pista, tem que se endurar, e agonizar...

E bom, já chega de falar mal, que estou cansado.

 

 


1- Há quem diga, afinal de contas, que o que as mulheres querem, não é a igualdade de direitos, mas sim que os papéis se invertam e que elas passem a ter os privilégios todos. Tendo em conta que, quem tem proferido tais coisas, são membros desse mesmo género, penso que está tudo dito...

2- O politicamente correcto é uma gaita, realmente... mas nunca fiando, antes alguém me atire com um calhau à cabeça por dizer ordinarices.


Engendrado por Nettwerk van Helsing às 01:07
Ligações a esta porcaria | Atirar pedrada | Emoldurar disfunção
|
2 calhaus:
De Caramela a 2 de Julho de 2008 às 00:37
1- Concordo plenamente com a desigualdade entre os sexos. Durante tantos séculos foram vocês, machões, a "comandar" (e por sinal mal) o nosso mundo. Agora "abram alas po noddy" e deixem trabalhar quem sabe. Depois de conseguirmos reparar a "schifezza" que vocês fizeram vão ver como é dominar (e bem) o mundo.
2- Agora que já sabes outros termos politicamente correctos também já os podes mencionar aqui ;)


De Nettwerk van Helsing a 3 de Julho de 2008 às 15:53
Eu também acho que sim: matem-se a trabalhar, que eu fico em casa a coçá-los dia após dia ;)


Vá, mais um calhau que o bicho ainda mexe!

Descrição do paciente

Procurar disfunção

 

Julho 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
13
15

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Loucuras recentes

Sobre a mudança

Sobre as pedaladas

Sobre os novos acessos

Sobre o alcatrão portajad...

Sobre os carris

Sobre o Verão

Sobre a passagem do tempo

Sobre a viragem

Sobre a paixão

Sobre as moscas

Sobre as laranjas maduras

Sobre o The Wall

Sobre os entusiastas

Sobre o material circulan...

Teste

Sobre as novas pragas da ...

Fifada do dia (XXII)

Sobre a esperança

Sobre a excomungação de v...

Sobre a crise

Loucuras antigas

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Outubro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Ligações ao mundo exterior

subscrever feeds