Sábado, 17 de Maio de 2008

Última rodada

O Zé do Formosinho morreu.
Aquelas personagem típica lá do meu sítio, que passava um ror de tempo enfiado na(s) taberna(s), que andava de mine na mão, que passava tanto tempo bêbado que uma pessoa já tinha dificuldade em perceber se estava sóbrio ou não, já não está entre os vivos.
Ainda me lembro de crescer e, nos tempos em que ia de férias lá para a terra, ouvir contar ao meu tio as histórias do que se tinha passado nesse dia no casario (a coscuvilhice é, ainda e sempre, infelizmente, um grande vício nosso), e de ter começado a ouvir falar dele, das suas tropelias, das vezes em que ele chegava a casa já às tantas da madrugada, horas depois da patroa se ter ido deitar (e ela não gostava dele bêbado, nem um bocadinho! Havia alturas em que o caldo se entornava, e aí...!), ou das vezes em que ele andava de raboleta pela estrada, umas vezes porque não conseguia andar direito, outras vezes porque andava metido nalguma zaragata com outros.
Sinceramente, não sei com que idade partiu. Penso que andava na casa dos 60's. No entanto, não se pense que morreu por causa dos litros de álcool que bebeu durante anos. Ironicamente, morreu por causa de comida.
Engasgado com um pedaço de pão de uma açorda.
Daquelas coisas que, mesmo que uma ambulância esteja ali dali a cinco minutos, se não houver ninguém que saiba o que se deve fazer, não serve de nada. E não havia uma ambulância a cinco minutos.
Nem dez. Nem trinta.
E ninguém sabia o que se devia fazer.
E assim morreu o Zé.
Menos uma pessoa naquele lugarzinho a que se habituou chamar de aldeia (mas que não é, nem por sombras, tão densamente habitado como uma), mais um motivo de tristeza por aquela rua...
Adeus, Zé.


Engendrado por Nettwerk van Helsing às 17:39
Ligações a esta porcaria | Atirar pedrada | Emoldurar disfunção
|
1 calhau:
De daplanicie a 19 de Maio de 2008 às 13:26
Cada cidade, vila, aldeia ou lugarejo tem sempre a sua personagem característica que faz parte do nosso imaginário a ele relacionado. Quando partem há sempre um pedaço de história que vai com eles. Foi um gesto bonito escrever sobre o Zé do Formosinho!
Cumprimentos e boa semana


Vá, mais um calhau que o bicho ainda mexe!

Descrição do paciente

Procurar disfunção

 

Julho 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
13
15

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Loucuras recentes

Sobre a mudança

Sobre as pedaladas

Sobre os novos acessos

Sobre o alcatrão portajad...

Sobre os carris

Sobre o Verão

Sobre a passagem do tempo

Sobre a viragem

Sobre a paixão

Sobre as moscas

Sobre as laranjas maduras

Sobre o The Wall

Sobre os entusiastas

Sobre o material circulan...

Teste

Sobre as novas pragas da ...

Fifada do dia (XXII)

Sobre a esperança

Sobre a excomungação de v...

Sobre a crise

Loucuras antigas

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Outubro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Ligações ao mundo exterior

subscrever feeds