Quarta-feira, 20 de Junho de 2007

"-É parvo?" "-É" "-Anda em rebanhos?" "-Anda" "-É uma ovelha?" "-Não"

Existe uma coisa que a mim me tem deixado sempre de cara à banda. Já repararam que, no que respeita aos meios de transporte públicos, devemos ser (sim, nós, seres humanos) o bichinho mais parecido com ovelhas?

Senão, atentem nestes factos:

  • sempre que o <inserir nome de transporte público aqui> chega, só se vê gente a correr, mesmo tendo em conta que, 5 ou 10 minutos depois, se vai seguir outro transporte. Consigo encontrar algum paralelismo no momento em que abrem a porta do curral para o rebanho entrar, só se vê ovelhas a correr, mesmo ficando a porta aberta à vontade delas;
  • sempre que se ouve a voz monótona e computorizada a anunciar que o <inserir nome de transporte público aqui> prodecente de sítio X com destino a Y vai chegar, só se vê gente a correr, mesmo que não seja aquele meio de transporte que desejam apanhar. Paralelismo? Hmm... levem um balde com ração para porcos a ver se as ovelhas não vão atrás também;
  • sempre que as portas se começam a fechar, seja num torniquete, ou na entrada do <inserir nome de transporte público aqui>, vai haver sempre pelo menos uma pessoa a tentar passar, independentemente de conseguir ou não1. Pararelismo ovino? Bom, experimentem a abrir a porta do curral apenas de modo à ovelha conseguir enfiar a cabeça, a ver se ela não se vai tentar enfiar lá para dentro à força;

Podia continuar, mas acho que estes três exemplos chegam para provar o meu ponto. Portanto, é pacífico assegurarmos, tendo em conta o grau de inteligência comprovado do gado ovino (mais não seja, pelo tamanho do seu cérebro), que nos estupidificamos sempre que precisamos de ir para o trabalho/escola/...
No entanto...
No entanto, tendo em conta o que mencionei a cima e o que não mencionei mas que se sabe... não será um bocadinho preocupante ver a Igreja Católica a tratar os fiéis como "o rebanho"? A ver na Bíblia menções ao "rebanho" de fiéis? Que significa isto? Que os crentes são seres brutos e com pouco cérebro, que seguem o pastor sem hesitar e, se o fizerem, ou saírem fora do trilho, levam com uma pedrada no lombo?
Posso sempre ter percebido mal a coisa, mas... de mim ninguém faz queijo!!

Boas pastagens,
NvH - Se eu tiver gordura no fígado, porque não o posso meter a correr a Meia-Maratona de Lisboa?






1- isto também se aplica aos condutores: experimentem a deixar uma pequenina distância para o carro à vossa frente para verem se não vai haver algum ás a tentar enfiar-se lá.


Engendrado por Nettwerk van Helsing às 10:15
Ligações a esta porcaria | Atirar pedrada | Emoldurar disfunção
|
2 calhaus:
De daplanicie a 25 de Junho de 2007 às 16:46
LOL bem pensado. É mesmo uma carneirada.


De SangueOculto a 25 de Julho de 2007 às 22:42
O Ser-Humano já "dá" a imagem de ser uma ovelha de olhar estupidificado, quando olha para o superior herárquico... quanto mais quando apanha o transporte público que deixa o mais perto possível da porta de casa!!!
Quanto às instituições religiosas, sejam elas igrejas ou seitas (Ex:IURD; IGREJA MANÁ e outras do género), já tinha reparado que os crentes "seja-do-que-for" são tratados como se fossem ovelhas. Aliás, no caso das seitas religiosas, a designação do representante-mor (o "cabecilha", portanto) não é PADRE mas sim PASTOR. No meu entender, é uma crise de identidades, mas que dá uma certa imagem na cabeça (pelo menos na minha) que o crente (olhem para ele como se fosse uma ovelhinha) é um pobre desgraçadinho, sem personalidade, limitado, sem poder fugir dos padrões habituais da sociedade (do "rebanho") e se fizer algo de errado leva um sermão moralista do pastor (uma bengalada no lombo), daqueles em que se afunda na cadeira em dias de cerimónia e fica cabisbaixo a olhar para a bíblia.
Estás a "topar" o filme não estás????

Nota: Eu não sou ovelha e muito menos relaciono com pastores nem com padres....!!!!

Por último, a situação de deixarmos um espaço entre nós e o carro da frente, só em filas de trânsito (digamos,filas paradas ou semi-paradas) é que os "ases" tentam-se meter nesses espaços. É o que acontece na maioria das vezes na A5, quando tentamos entrar no acesso da Ponte 25 de Abril.
Em andamento, depende. No meu caso, é facil, eu ultimamente tenho andado devagar e tenho distancia para esses "ases" entrarem sem problemas e passarem a ser o meu "carro da frente". Mas nos dias em que eu tenho pressa (portanto, em estado de "pressão"), aviso já que é melhor não fazerem aselhices nem pressionarem com "faroladas" (um novo termo que deviam ensinar nas escolas de condução).


Vá, mais um calhau que o bicho ainda mexe!

Descrição do paciente

Procurar disfunção

 

Julho 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
13
15

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Loucuras recentes

Sobre a mudança

Sobre as pedaladas

Sobre os novos acessos

Sobre o alcatrão portajad...

Sobre os carris

Sobre o Verão

Sobre a passagem do tempo

Sobre a viragem

Sobre a paixão

Sobre as moscas

Sobre as laranjas maduras

Sobre o The Wall

Sobre os entusiastas

Sobre o material circulan...

Teste

Sobre as novas pragas da ...

Fifada do dia (XXII)

Sobre a esperança

Sobre a excomungação de v...

Sobre a crise

Loucuras antigas

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Outubro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Ligações ao mundo exterior

subscrever feeds